sexta-feira, 18 de março de 2016

Quer se surpreender? Desative sua conta do Facebook!

Mensagem quando você é bloqueado
Então...sábado tivemos uma pendenga envolvendo vários assuntos por aqui, inclusive o uso do Facebook. Por conta disso desativei minha conta porque precisava de tempo para pensar. Precisava de tempo para colocar as ideias e os sentimentos em ordem porque fiquei triste, magoada e com muita raiva de tudo o que aconteceu. 'Ah, mas não precisava desativar! Era só não acessar.". É? Sério? Eu precisei desativar! Isso para mim já basta.
Decidi desativar a conta porque, na verdade, meu desejo de momento era excluir o perfil mas como não gosto de tomar nenhuma atitude no calor da emoção, optei por desativar a conta.
Avisei algumas pessoas e pedi para que caso algum amigo em comum perguntasse, que dissesse que eu havia desativado a conta.
Deixei contato de Watsapp e autorizei que passassem para quem quisesse, também!
Tão logo desativei a conta descobri que o Messenger continuava ativo e que era possível conversar com as pessoas mesmo estando com a conta do Facebook desativada. Oba! As pessoas poderiam vir elas mesmas se quisessem saber o que aconteceu, por que sumi!
Até aí, beleza!
Uma amiga chegou a me dizer que quando eu reativasse a conta poderia ser surpreendida com comentários em grupos e tal. Beleza, também. Faz parte, afinal o que mais existe em redes sociais são juízes da vida alheia, né? Então!

Isso posto, posso dizer que hoje classifico as pessoas que usam redes sociais em duas categorias:
1. Aquelas que pensam além de si e que quando dão falta de alguém vão e perguntam se está tudo bem. Jamais levam um sumiço para o campo pessoal, principalmente se não houver motivos para isso. O pensamento é: fulana deve estar com algum problema.

2. Aquelas que têm o umbigo como centro do mundo e, ao darem falta de uma pessoa, mandam mensagem perguntando porque foram bloqueadas e te bloqueiam (ou excluem, sei lá, porque não consegui ver onde bloqueia alguém que esteja com a conta desativada) elas mesmas sem esperar sequer a resposta.

Ah, e deve ter a categoria que bloqueia/exclui sem nem mandar mensagem, mas essa eu ainda não descobri. rss

Se você é da categoria 1 de pessoas, parabéns! Você é uma pessoa madura e bem resolvida que pensa além do seu umbigo.
Se você é da categoria 2 comece a se perguntar porque é tão vulnerável e tão melindrosa a ponto de sequer esperar resposta da pergunta que fez! Pergunte-se o que leva você a pensar que alguém possa ter te bloqueado ou excluído sem motivo algum quando você poderia pensar que o problema não está em você, mas na vida da pessoa!

Vou explicar uma coisa sobre a diferença entre bloquear e desativar a conta.

Quando você bloqueia uma pessoa ela deixa de existir para você e você para ela. Você não vê mais nada dela. Nadinha. Se alguém marcar a pessoa bloqueada o nome desta pessoa aparece em letras pretas, ou seja, não abre link para você acessar o perfil dela.
Logo, se você é bloqueado por alguém você simplesmente não tem acesso a ela.
Quando você bloqueia ou é bloqueado a pessoa em questão não aparece mais na sua lista de amigos. Repito: vocês deixam de existir um para o outro. Não aparecem em pesquisas, não existe possibilidade de acesso sem desbloqueio.

Quando alguém desativa a conta, se você se der ao trabalho de ir na sua lista de amigos vai encontrar, lá, a pessoa como amiga, porém não haverá foto no perfil dela. Quando você tenta abrir o perfil aparece esta mensagem:


Simples, né? Muito mais fácil do que fazer julgamentos precipitados e tomar atitudes infantis!
Quando uma pessoa some é porque algo pode ter acontecido que ela não queira falar. Talvez precise de tempo. Nem tudo que acontece na vida real é compartilhável na vida virtual. E nem sempre é possível fazer aviso para todos na TL. No meu caso só aumentaria a pendenga. Ademais, quem precisa de tempo não vai ficar fazendo alarde, né? Pois é!

Eu poderia pedir para alguma amiga em comum entrar em contato e falar que eu estava com o perfil desativado? Até poderia, mas não vou. Se ela procurou, perguntou e nem aguardou a resposta, não faz diferença saber. Ela já julgou e já deve estar chorando em posição fetal pelo julgamento que fez da minha pessoa. Se tivesse esperado resposta saberia o motivo do meu face estar desativado!
Se ela souber o que aconteceu e solicitar amizade, posso ate´aceitar, afinal não tenho nada contra. Muito pelo contrário. Só não verei mais com os mesmos olhos de antes.

Gente, isso tudo só tem um objetivo: NÃO JULGUEM, NÃO JULGUEM, NÃO JULGUEM!
Se você conseguiu ter contato é porque não foi bloqueado! Se escreveu, aguarde a resposta.
Se aparece que a pessoa desativou o perfil ela desativou, não excluiu nem bloqueou ninguém!
As relações virtuais são muito parecidas com as relações reais. Quantas vezes alguém muda o comportamento com a gente sem que sequer saibamos o por quê?
Na vida real, como na virtual, falta habilidade a algumas pessoas para conversar. Na vida real mudam o comportamento, viram a cara, mudam a forma de tratar. Na vida virtual exclui-se. Apenas!
Quando se preza uma amizade não é assim que se age. Não mesmo. Não falo de 'amiga de facebook', aquela que faz número. Falo de amiga de longa data, amiga considerada que não levou isso em conta e só pensou no seu umbigo.

Fica a dica. Pensem antes de julgar. E se procurarem saber o que aconteceu, esperem para saber o que aconteceu. Simples assim.
Muitas vezes não é nada do que as minhocas estão alimentando na sua cabeça!

Não estou triste. Não estou chateada. Cada um dá o que tem, certo? Só fiz a publicação para que todos, inclusive eu, possamos refletir sobre essa questão de melindres.

Cláudia



quinta-feira, 3 de março de 2016

Estamos no caminho certo

Foto: ciclopista - Lago do Taboão
Crédito: Cláudia Gimenes

Quando encerramos 2015 tínhamos uma lista de observações (sinais e sintomas) que, para mim, chegavam a ser desanimadores.
Havia sido um dos piores anos, se não o pior, tanto na escola como em casa. Tudo girava em torno do 'não consigo', 'não sei', dos esquecimentos, das tarefas mal (ou não!) executadas e de choro. Muito choro.
Tínhamos tomado decisões drásticas que me deram muita insegurança e medo. Medo do desconhecido, medo do que ia acontecer, medo por não dar certo e as coisas piorarem.
Ainda em dezembro conseguimos consulta com a psicóloga, que é neuropsicóloga e psicopedagoga. Uma grande bênção dos céus que vai nos poupar outras peregrinações com vários especialistas. E, consequentemente, várias visões diferentes de um mesmo contexto.
Ela iniciou com a psicóloga, que solicitou um exame chamado PAC e avalia o desenvolvimento do processamento auditivo central.
Em janeiro conseguimos vaga com a fono que, com toda a lista de informações que passei, trabalhava com a possibilidade de este exame dar alterado.
Com estas duas consultas eu tive a certeza maior ainda de que estava no caminho certo. Que não briguei e tomei decisões extremas à toa. Gente, intuição de mãe não falha. Acreditem, ainda que só vocês vejam algo errado nos seus filhos!
Em fevereiro fizemos o exame, que não é um exame simples. Aqui foi feito em 2 etapas, em dias diferentes porque segundo a médica que realizou falou que é difícil e cansativo.
E em 10 habilidades testadas deu alteração em apenas uma: atenção e concentração!
Agora tanto a psicóloga (com sua multidisciplinaridade) como a fono vão trabalhar neste ponto com ela.
Ambas disseram que o tratamento é de um ano. Beleza!

Sobre a nova escola:

As aulas iniciaram em fevereiro.
Poucas crianças em sala, uma professora maravilhosa.
Ela amou a escola, os professores, os amigos, os funcionários todos, as merendas. Está amando ir para a escola e voltar à pé, ter os amigos morando perto e poder tê-los em casa (quase) sempre! E poder ir à casa deles, também!
Ela foi bem acolhida. Como é uma criança fácil de se relacionar, fez amizades e se adaptou bem logo nos primeiros dias.
Tem muita coisa diferente. A professora escreve a rotina do dia na lousa no início da aula todos os dias. Isso tem ajudado muito. Percebi que ela gostou muito disso porque falou bastante nos primeiros dias; as carteiras são dispostas duas a duas e as crianças sentam-se em duplas. Podem conversar sobre a lição e a professora consegue ter um bom controle com a disciplina. Eles não têm par fixo. Podem mudar de par sempre que desejam. E nessa uma hora ela tem alguém que tem mais dificuldade, outra hora tem alguém com mais facilidade do que ela (ou que esteja no mesmo nível). Isso ela amou, também. Poder ajudar e ser ajudada, ter oportunidade de escolher, democraticamente, as duplas (sim, porque elas definem quem senta com quem todos os dias), sem brigas.
Outra coisa que ela amou: ter professora de educação artística separada.
Ela ama jogar futebol e foi bem aceita entre os meninos. Tem se machucado bastante, mas faz parte. Embora nessa idade eles ainda vivam nos clubinhos da Luluzinha e do Bolinha, ela circula bem entre os dois mundos e tem amigos em ambos.

Sobre novas observações:

- A psicóloga, no retorno de férias de fim de ano e Carnaval ficou admirada com a mudança dela. Disse que parecia outra criança.
- Ela está feliz. Muito! Dia desses falou que agora é como se ela tivesse repetido de ano porque as coisas que ela não tinha entendido antes, agora ela está aprendendo. Fase de revisão de matérias. A escola não está atrasada em relação à outra.
- Melhorou a auto-estima e o reflexo é visível por conta de ela estar se sentindo capaz e isso refletiu nas atividades em casa. Está menos desorganizada e está conseguindo executar as tarefas. Não deixa tanta coisa jogada, mais.
- a professora diz não ter notado dificuldades nela, ainda.
- Os cadernos dela estão uma belezinha. Caprichados, bonitinhos. A letra está num tamanho bom para ler (isso era outra briga!)

O diagnóstico deve levar um tempo, ainda, mas ver que deu tudo certo e que ela está se desenvolvendo bem, que tudo, TUDO melhorou, que todas as decisões foram acertadas me dá um grande alívio.

Estou otimista e confiante. Tudo foi muito mais rápido e melhor do que eu poderia supor que seria. Muito antes do que eu imaginava este problema estará superado e novos desafios virão, com toda a certeza, porque a vida consiste em superar desafios.

Abraços,

Cláudia



terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Sobre decisões importantes, inseguranças e incertezas! (parte 2)



Aqui -----►Parte 1 temos o resumo do desenvolvimento. Sigo com a fase escolar!


Chegamos ao primeiro ano e ela não registrava alguns números e algumas letras. Levou tempo para ela apreender o que era um número cinco e entender que '5' representava o número cinco. E com o oito, e com o nove. Todo santo dia a gente fazia as tarefinhas dos números e todo santo dia ela chorava que não sabia. Ela fazia os numerais 1, 2, E, 4, 6, 7, 10. Cinco, oito e nove não existiam. Três era sempre 'e' maiúsculo. Foi assim quase o ano inteiro. Todo mundo falava que era normal, mas ela sofria e quando decidi marcar a neuro, de um dia para o outro ela fez todos os numerais.
Okay, então! E terminou o ano fazendo os numerais, mas tropeçando nas letras.

Chegou o segundo ano. As dificuldades foram aumentando com o decorrer dos bimestres e ela não compreendia como fazia as contas, ela não entendia o que a lição estava pedindo para fazer e os livros começaram a vir para casa sem as lições feitas.
Todo dia uma choradeira. Ela sofria para compreender. Eu sofria para ajudar. Ela não fazia na escola, eu ficava brava em casa. E toda vez que eu perguntava:
- Mas por que aqui você responde tudo e na escola você não faz nada?
- Porque aqui você lê para mim!
E essa resposta insistente me acendeu um alerta! Se ela só compreende quando alguém lê ela pode, realmente, ter algum problema.
Passei a perceber que ela errava nas provas não por falta de conhecimento, mas por não entender o que as questões queria dela. Algumas respostas não tinham nada a ver com o que pedia a questão.
E assim terminamos o segundo ano, com tardes intermináveis de choros porque não sabia, porque não entendia, mas quando eu perguntava ela respondia.
E muito embora eu imaginasse que pudesse haver alguma desconexão entre o que é aprendido e a colocação em prática do aprendizado nos exercícios eu tinha dificuldade de entender porque era tão difícil responder escrevendo e tão fácil responder falando. Porque era tão fácil me explicar como se faziam as contas, mas não conseguir fazer as contas. Porque me contava com facilidade a história do livro e não conseguia responder as questões de compreensão do texto.

O terceiro ano iniciou como terminou o outro. Dificuldades na compreensão, choros, choros, 'eu num consigo', 'eu num sei', 'eu só consigo porque você lê para mim'.
Toda semana de prova era um estress. Quase toda lição de casa que envolvesse contas e textos, também.
De vez em quando dava um insght, ou algumas matérias ela compreendia mais fácil, e as provas vinham com notas melhores, aí eu relaxava e nas provas seguintes voltávamos à estaca zero de choros e notas vermelhas com provas mal respondidas ou não respondidas com ela sabendo a matéria.

Do meio deste ano em diante passei a observar que:

- A leitura dela está aquém da fase em que ela está. Ela lê uma palavra quando está escrita outra, acrescenta ou subtrai letras, sílabas.
- Ela não desenvolve 3 comandos se eu não estiver perto falando 'faça isso, isso e aquilo'. Se eu dou três comandos e mando ela ir fazer, por exemplo, em seu quarto, sempre um ou dois...ou dois e meio!...estão sem fazer, ou estão todos feitos pela metade ou algo que o equivalha.
- Tem dificuldade com sequências. Não consegue desenvolver as tarefas na sequência. Se perde indo e vindo nas contas e nas questões.
- Esquece! A frase que mais ouço 'eu esqueci...'. Esquece caderno e livro da lição de casa na escola, esquece estojo em casa, esquece de dar a agenda para a professora quando tem bilhete e eu peço para entregar. Esquece...
- Perde as coisas. Perdeu 2 blusões, dois cadernos. Borrachas, lápis e apontador nem faço mais contas.

Observando tudo isso comecei a me questionar se eu não estava fazendo com ela justamente o que eu não queria fazer.
Quando procurei a neuropediatra aos um ano e oito meses de vida dela foi justamente pensando que haveria a possibilidade de ela desenvolver algum transtorno de aprendizagem e porque toda criança que tem algum transtorno, antes de ser diagnosticada sofre! Sofre porque não entende o que acontece com ela, sofre porque os amigos rendem e ela não, sofrem porque tem consciência de que existe algo errado para ela ser diferente dos amigos, sofre porque ela aprende e então é taxada de preguiçosa, de acomodada.
Passei a ouvir que ela aprende. Não tem problema de aprendizagem. E eu sei disso. Ela é esperta, inteligente, aprende, sabe, mas não consegue colocar em prática o que aprendeu.
E eu brigava, obrigava a estudar, ficava junto tomando a lição, ficava tomando a lição dela pela casa, no carro a caminho da escola e quando vinha o resultado da prova era aquela decepção. Eu fazia a pergunta da prova e ela respondia certo, mas na prova estava ou errado, ou não respondido.

E, como não poderia deixar de ser, passei a sentir culpa por estar, talvez, fazendo com ela o que eu tentei evitar a vida toda.
Por conta disso, de como encerramos o ano, decidi que é o momento de fazermos uma avaliação para saber o que, realmente, acontece com ela. Sofre porque, não conseguindo render, fica com problemas de disciplina.
O pai, as professoras, a avó, todo mundo fala que ela não tem nada mas é impossível, para mim, não comparar a questão da aprendizagem dela com a dos irmãos. Eles não tinham nada. Não tinham nenhum tipo de dificuldade e eu nem precisava ficar junto para fazerem tarefas ou estudarem. Eu administrava conforme eles precisavam até que ganharam autonomia. Ela já vai para o quarto ano e não vejo uma luz de autonomia para ela no final do túnel.
Tomada a decisão, marquei com a pediatra. Ela me ouviu atentamente e crê que estou no caminho certo, que ela pode ser limítrofe, ter algo bem leve, mas que pode ter algo, sim. Estamos com as guias para neuro, fono e psicóloga. Uma já está agendada, as outras estou esperando agenda.

E aí tive que tomar uma outra decisão muito mais relevante: manter na escola ou tirar e passar para uma escola pública enquanto passamos pela avaliação. E depois de pensar muito, pesar prós e contras, decidi tirar e colocar na escola pública. Assim ela terá uma folga no excesso de cobranças (da escola e de mim) porque muita coisa ela já terá aprendido e vai rever, outras ela vai aprender, mas num ritmo mais lento.
Eu creio que terei tranquilidade para a avaliação e ela terá tranquilidade nas cobranças enquanto é avaliada.
Não foi uma decisão fácil. Não, mesmo, mas creio que é a melhor para o momento e ela compreendeu bem. Está até ansiosa porque na escola nova ela tem amigos 'velhos' com quem ela convive pouco atualmente.
E tomei a decisão pelo fator financeiro, também. Tem especialistas que ela precisará passar que o convênio não cobre. Terei que pagar. Esse é um fator relevante, também, para a decisão.

E cá estou, com a decisão tomada, com as coisas encaminhadas, mas com medos, receios, incertezas não pelo que possa ser avaliado nela, mas pelas consequências que poderão incorrer sobre ela devido às minhas decisões.
De qualquer forma estou confiante que estou, sim, no caminho certo quanto à avaliação. E se eu não estiver, se ela não tiver nada tanto melhor para ela, principalmente. No final do próximo ano sei que terei que tomar novas decisões e que tudo dependerá do que for diagnosticado. Se não tiver nada, volta para o colégio. Se tiver, viverei nova fase de tomadas de decisão. Mas isso tudo é coisa para o futuro. Nem vou me ocupar com isso. Aprendi há algum tempo a viver um dia por vez. E assim será!

Que Deus nos guie a todos: pais, profissionais, novos professores, nova escola para que o melhor seja sempre o que se conquiste para ela!


Abraços,

Cláudia



segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Sobre decisões importantes, inseguranças e incertezas! (parte 1)





Sempre que precisamos tomar uma decisão importante para as nossas vidas é comum sentirmos inseguranças das mais variadas.
Quando essa decisão vai mudar a nossa vida, sentimos mais do que insegurança. Sentimos medo. Muito medo!
Medo do novo, medo do desconhecido, medo de sairmos da nossa zona de conforto, medo do que teremos que enfrentar depois.
Isso tudo quando é com a gente.
Quando a tomada de decisão está relacionada a filhos, à vida dos filhos, todas essas incertezas, todos os medos, todas as inseguranças ficam potencializadas!
Se é difícil tomar uma decisão importante para nossas vidas, para a vida dos filhos é algo muito angustiante.
E era assim que me encontrava já há algum tempo em relação à pequena, mas antes de adentrar na decisão e nos motivos, vou contar a história toda do nascimento até os dias de hoje!

Ela foi gerada em situação adversa ao que é esperado para uma gestação, fato que a colocou com predisposição para alguns problemas no decorrer do seu desenvolvimento.
É sabido que não existe uma quantidade segura para o consumo de álcool/drogas na gestação que não predisponha o feto a ter problemas no desenvolvimento neurológico.
O álcool, as drogas podem... veja bem: PODEM...predispor esse feto a uma série de problemas que vão desde a microcefalia a uma série de problemas de aprendizagem, tais como TDA, TDAH, dislexia, entre outros.
Esses problemas de aprendizagem só começam a se manifestar quando? Na fase de aprendizagem, naturalmente, entretanto existem outros sinais que podem indicar que esses problemas poderão dar o ar de sua graça no futuro.
Então eu tinha uma criança com refluxo, asma e dermatite atópica (ah, mas isso tem muita criança biológica que tem, neahmmm?). É, tem! Então ela passou a ter um sangramento hemorrágico no nariz, e febre sem motivos aparentes todos os dias, manchas roxas que iam crescendo na sua pele. Suspeita de leucemia, exames. Nada. Fomos para a homeopata. Dois meses de medicamento homeopático e o diagnóstico: hiperalergenia.
E eu tive uma criança com insônia. Insônia iniciada aos 6 meses de vida e tratada, a partir de 1 ano e 8 meses (porque tinha que esperar nascer os dentes, segundo a pediatra) com aurículo-acupuntura por um ano.
E então fomos parar na neuropediatra. Ela foi acompanhada pela neuro até 5 anos e meio porque o desenvolvimento estava normal até então, mas eu deveria observar bem e atentamente o período de aprendizagem, a partir do primeiro ano. Segundo a neuropediatra a inteligência que ela tinha para aprender e reproduzir as coisas no dia a dia nada tinha a ver com a inteligência que ela usaria na aprendizagem acadêmica, principalmente nas disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática que seria onde surgiriam as dificuldades maiores caso manifestasse algum distúrbio.
E então, nesse meio tempo, me foi sugerido pela neuro uma visitinha à fono porque a fala dela não era adequada para a idade, no que a pediatra concordou plenamente.
Eu entendia muito bem o que ela falava. Mas apenas eu. Nem o pai, nem os irmãos e muito menos as pessoas de fora do convívio diário compreendiam o que ela dizia.
E fizemos fono por dois anos.
Desfralde do dia com três anos e 4 meses. Perfeito. O normal é até os 4. Desfralde da noite com 4 anos e 3 meses, xixi na cama até quase cinco anos e meio. Isso foi muito além do esperado.
Fomos encaminhadas, então, para a psicóloga pelo xixi, mas ela não viu nada demais no emocional da criança e a dispensou. Falou para verificar e descartar algum problema físico. Fizemos exames de toda ordem. Nenhum problema físico. O negócio foi esperar até passar. E lavar uma infinidade de roupas de cama e pijamas, e forrar colchão, e colocar colchão para secar quando nem o forro dava conta porque tinha noites que ele recebia xixi de duas a três vezes.

Isso tudo pode parecer bobagem, mas tudo tem a ver com o desenvolvimento neurológico e eu fiquei atenta, observando e vendo que tudo com ela era muito diferente do que foi com os irmãos. Mesmo os irmãos tendo sido bem diferentes um do outro no desenvolvimento, algumas coisas eram comuns aos dois e com ela nada era comum. Nada.

Essa é a história dela dos oito anos e meio de vida.
Uma coisa ou outra isolada em uma criança pode ser normal, mas ela tem diversos fatores que, juntos, podem sinalizar para um possível problema na aprendizagem.
A insônia, o xixi na cama, o problema de fala, a hiperalergenia, todos juntos são sinais importantes que não podem ser ignorados.

No próximo post continuo com a questão do início na escola e seguiremos apontando outros fatores que me acenderam o alerta amarelo até chegar na decisão!

Abraços,

Cláudia

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Dia das Crianças e representatividade!

Imagem tirada de Lembrança Real

Este ano a Taís não pediu presente para o Dia das Crianças.
Na verdade ela nunca pediu. O negócio dela é com o Papai Noel ainda.
Ela, também, nunca brincou de forma tradicional com as bonecas. Qualquer pessoa que veja as bonecas dela dirá que ela estraga. Eu diria que ela customiza.
Pinta as caras das bonecas com canetas de retroprojetor. Segundo ela, não são rabiscos, são maquiagens permanentes.
Faz bandanas com os vestidinhos. Sim, ela cortou todos os vestidinhos e amarrou o que sobrou na cabeça das monstras bonecas que ela customizou.
Acontece que de uns meses para estas bandas ela vem brincando de boneca como toda mãe sonha (toda???), da forma tradicional, fazendo a boneca de filhinha, querendo cuidar, trocar roupinhas, querendo mamadeira (não vou entrar no mérito comercial da mamadeira e o que ela incentiva porque não vem ao caso neste momento) e fraldinhas.
Acontece que ela não tem mais bonecas grandes que possam ser seus bebês. Todas estão com a cara do Chuck, então não rola materná-las]. Assim sendo, ela fez de seu bebê um cachorro de pelúcia medonho, sem focinho, com os olhos estropiados, mas que tem um tamanho bom e é fofinho. Nele cabem roupinhas que foram dela quando nasceu para mim.
Pegou tanto gosto de maternar o cachorrão que me pediu para comprar fraldas.
Em dias que podia levar brinquedos na escola, ela andou levando o seu 'bebê' para brincar com as amigas que, naturalmente, levam bonecas com cara de bebês, mas a Taís é desencanada e não liga para a aparência do bebê dela. Ao menos a vejo brincar feliz e nunca me falou nada!
Por conta desse conjuntinho de coisas fiquei pensando: por que não dar a ela uma boneca? Um bebezão de corpo de tecido, molinho, num tamanho que caibam as roupinhas? E um pacotinho de fraldas, também? E umas roupinhas que foram dela lavadas, passadinhas, tipo um kit de maternidade? E uma mamadeirinha, claro?

Eu sempre fui uma mãe desencanada com as brincadeiras das crianças. Nunca liguei se menino brincava de boneca e fogãozinho, se menina gosta(va) de bola e carrinho de controle-remoto ou caminhões enormes com caçambas para brincar de areia no parquinho. Nunca reprimi nenhum tipo de brincadeira e nunca restringi nenhum tipo de brinquedo. Sempre ensinei a eles que cor faz parte da natureza e é de todo mundo e que brinquedo foi feito para brincar. Fim. É isso o que penso, mas quando um deles tem inclinações ou despertam para algumas brincadeiras que seriam socialmente aceitáveis (e desejáveis!) aos olhos duzotros, também deixo rolar sem reforçar nem criar teorias como 'ah, muito bem, agora você está brincando como uma menina deve brincar!'. Nada disso. Quer skate no final do ano, vai ganhar, mas está 'ligada' em maternar agora, tudo bem, também!

Pois bem, hoje fui colocar meu plano em prática: comprar a lembrancinha de Dia das Crianças. Lembrancinha, mesmo. Nada caro.
Falei para ela que vai ser surpresa, já que ela não pediu nada. A expectativa da surpresa, confesso, é bem mais legal do que ela ficar esperando o tal brinquedo que quer porque vê no comercial.
Andando na rua do centro, passo em frente a uma loja e vejo A boneca. Tamanho ideal, rosto bonito, precinho maaara (39 dilmas). Entro, pego a caixa, olho, o vendedor vem:
- Moço, eu queria essa boneca com pele escura, morena ou negra.
- Ah, não tem!
- Mas não tem porque acabou, ou não tem porque não fabrica, ou não tem porque vocês só compraram bonecas loiras?
- Essa boneca a Estrela só fabrica assim (tenho minhas dúvidas, mas esqueci o nome da boneca para pesquisar), como estas que estão aqui. Mas olha, ela é bem bonita!
- Sim, moço, ela é linda, mas eu quero uma boneca de pele escura.
- Ah, aqui no fundo tem uma em promoção, também. Dela tem com pele escura como a senhora quer...
- Mas, moço, essa boneca é infinitamente menor do que aquela. Quero uma daquele tamanho. Quero uma boneca para que a criança brinque de vestir, colocar fralda como ela está interessada em brincar neste momento.
- Então leva aquela, mesmo! Ela é bem bonita!
- Sim, moço, ela é bonita mas não me serve.

Aí vem uma moça tentando ajudar:

- Ah, mas a criança não vai ligar se a boneca é loira ou se tem pele escura...
- Será, mesmo? Uma criança negra não liga de ganhar uma boneca loira de olhos azuis para ser sua filha? Você acha isso? Você já ouviu falar em representatividade? Eu quero dar uma boneca de pele escura para uma criança mestiça. E quero uma boneca grande. É, no mínimo, absurdo a empresa fazer bonecas de pele escura apenas de tamanhos pequenos. Uma criança mestiça ou uma criança negra não merecem uma boneca grande representando seu tom de pele? Se elas quiserem uma boneca parecida com elas, têm que se contentar com bonecas pequenas?
- ...
- Então, nós temos essa outra que também tem pele escura como a senhora quer...
- Mas é pequena! Olha, tudo bem. Deixa para lá. Vou dar uma andada.
- Para quem é a boneca que a senhora quer comprar?
- Para a minha filha!

Indescritível a cara dos dois!

- Sua filha?
- É! Minha filha! Ou eu não posso ter uma filha mestiça?

Outra moça:

- Senhora, achei esta outra boneca, aqui...
- Obrigada pela atenção de vocês. Vou dar uma andada e procurar em outras lojas. Talvez eu encontre uma boneca grande morena ou negra.

Olha, tudo bem que os vendedores não têm culpa de o fabricante não produzir bonecas grandes com pele escura. Tudo bem, mesmo, mas eu fiquei muito frustrada.
Só não tudo bem eles quererem empurrar um produto que você deixou claro que não quer!
Tive que andar para encontrar a boneca como eu queria sem que fosse a um preço exorbitante só porque tem um peniquinho ou porque fala não sei quantas frases.
Todas as pessoas precisam entender que a boneca é como um espelho. A criança se vê representada nela. Ou não!
As bonecas que a Taís brincou melhor, bastante até, foram bonequinhas pequenas de pele escura. Estas ela não riscou as carinhas e não estragou as roupinhas. Estas ela estragou no banho, porque entrava água e chegou uma hora que tive que jogar fora. Nada mais tirava o mal cheiro de dentro delas mesmo colocando de molho na água sanitária.

Na outra loja, nas prateleiras à mostra, as bonecas grandes eram todas loiras de olhos azuis, também! As de preço baixo. Porque as de cento e muitos reais e que nem são tão grandes ficam à mostra e bem à altura das mãos das crianças. As pequenas também. E quando se pergunta sobre a boneca de pele escura é essa mais cara que oferecem. É só aquele modelo que tem.
Quando entrei na segunda loja e perguntei se tinha 'aquela' boneca lááááá do alto, com pele escura a vendedora disse que não, que só aquele modelo, mesmo, mas quando pedi para que ela pegasse uma para eu ver...supresa!!! Boneca de pele escura atrás da loira. E tiramos a outra loira e atrás uma negra. Gente, sabe...me senti frustrada, me senti com raiva, me senti mal pensando em por qual motivo as prateleiras precisam ter apenas as bonecas loiras na frente? Por que não intercalam bonecas do mesmo modelo loiras e negras na frente para que TODOS vejam que existe diversidade nas bonecas (e nos preços, naturalmente), para que as crianças tenham o direito de se sentirem representadas em seus tons de pele ou, simplesmente, tenham o direito de escolherem se querem um bebê branco ou um bebê negro independente da cor da pele que estas crianças tenham?

Eu achei a boneca que eu queria, como eu queria, do tamanho que eu queria, mas saí com gosto amargo na boca!
Até quando será que esse tipo de coisa vai acontecer? Até quando?
Eu gostaria de ter passado em frente às lojas, ter visto a diversidade das bonecas, ter entrado, visto preço, comprado sem ter tido que ficar explicando, pedindo, quase implorando uma boneca com características que não aquelas das prateleiras!
Eu gostaria e sei que dezenas, centenas, milhares de outras mães também!

Que todos nós, fabricantes de brinquedos, pais, tios, avós, lojistas, vendedores pensemos a respeito do que diz lá em cima na imagem 'toda criança gosta de brincar' e toda criança tem o direito de sentir-se representada quando ganha um brinquedo!

Que o Dia das Crianças seja de presentes, mas muito mais de presenças!

Abraços!

Cláudia




quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Sobre falha de comunicação e filho desaparecido!

Imagem retirada de Psicologia e Relações Humanas
Sexta-feira meu filho desapareceu!
É! Desapareceu! O pai foi buscá-lo na escola por volta das 22h30m e a escola estava fechada.
Começou, então, um pesadelo!
O pai ligava no celular, que tocava, mas que o garoto não atendia. E nessa, as horas foram passando. Chegou as 23h, depois as 23h40m e nada! O telefone tocava até cair na caixa postal mas ele não atendia!
Qual seria o caminho mais rápido para tentar saber dele, então? Redes sociais e um grupo do watsapp!
Um amigo dele criou um grupo para marcarem encontros em pontos da cidade e adicionou o meu número como sendo dele. Comecei por aí. Como ele não estava com este amigo, o garoto me deu endereços onde eu poderia encontrá-lo: casas de jogos eletrônicos!
Publicações no Facebook pedindo informação aos amigos, afinal ele estuda em duas escolas e alguém deveria saber dele. Na minha cabeça isso era uma coisa lógica, mas ou não é tão lógico assim, ou existe um corporativismo adolescente que mesmo que algum deles saiba o que acontece, não se manifesta! Ainda tenho dúvidas a respeito!
Chegou a meia-noite, nós na rua, andando a esmo uma vez que as casas de jogos estavam fechadas. O que fazer? Ir à delegacia? Ah, mas eles só fazem BO com 24 horas do desaparecimento! Ah, mas eles estão acostumados com casos assim, saberão nos orientar!
E fomos parar na delegacia por volta das 2 da madrugada! Orientações recebidas, dados característicos do 'desaparecido', nossos telefones e endereço passados para a GCM. Não se tinha mais o que fazer além de esperar!
Um amigo do filho e seu pai estavam na rua, também, à procura! Nunca terei uma forma satisfatória e suficiente para agradecer! Enquanto nós, feito baratas tontas, não sabíamos o que fazer, eles foram a hospitais e a todos os lugares possíveis!
Madrugada ia alta, ninguém sabia dele, amigos dele me adicionaram em grupo de watsapp, amigas minhas passaram a madrugada orando e/ou me fazendo companhia on-line (isso, também, jamais terei como agradecer!), mães de amigos dele falando comigo, tentando me tranquilizar.
Amanheceu e, por volta das 7 horas, um contato e o 'desaparecido' apareceu! Ele havia dormido na casa de um amigo! Ele nem imaginava que estava desaparecido!
Graças aos céus o pesadelo chegava ao fim!

Essa foi a história do desaparecimento. Agora vou relatar como chegamos a isso, tentando resumir ao máximo, contando apenas o principal para que se compreenda!

Quinta-feira, 02.10, na saída do Senai o filho diz:
- Posso ir dormir na casa de um amigo amanhã depois do Moraes (escola onde cursa ensino médio à noite)? Nós temos um trabalho para fazer e ele falou para eu ir dormir lá para irmos para a casa de outro amigo no sábado cedinho. Como o outro amigo mora longe, ele acha melhor eu dormir lá para irmos junto.
- Pode sim, mas quero que me deixe o telefone e o nome de todos os amigos!
- Preciso de 10 reais para ajudar com os materiais.
- Depois vemos com seu pai.

E aí terminamos a conversa. O pai não tinha o dinheiro nesse dia. Não se tocou mais no assunto.
Na sexta-feira antes de sair para o Senai ele me falou que não voltaria para casa depois da aula. Ele e o grupo iriam ficar no Senai pegando orientação com os professores sobre o projeto e o pai do amigo iria levá-los para a outra escola onde cursam ensino médio.
Não falou mais nada sobre dormir fora. Despediu me lembrando que ia ficar direto no Senai e foi-se. Fo-se, inclusive, sem o agasalho, que esqueceu no encosto do sofá!

Aqui começa nosso primeiro problema de comunicação!

Eu havia dito que ele poderia ir, mas tinha que deixar nomes e telefones. Ele não deixou nada, saiu falando que ia direto de uma escola para a outra, não reforçou que ia dormir fora.
Para mim eles haviam desistido de fazer o trabalho nesse final de semana. Iam pegar orientação com os professores, afinal de contas não somos só nós que ficamos sem dinheiro na última semana do mês, neah?
Para mim ele iria para a aula da noite e voltaria para casa com o pai no horário de sempre, afinal ele não falou mais nada sobre dormir fora depois do pedido!

Para ele estava tudo certo. Ele havia pedido para dormir fora e havia dado o motivo. O pai não teve dinheiro para dar a ele, mas ele poderia dar o dinheiro depois (mas não me falou nada!).
Para ele eu sabia que ele ia dormir fora. Fim.

Segundo problema de comunicação:

- O celular toca e ele não atende. O celular descarrega por volta das 2 da madrugada. Das 22h30m quando demos falta dele até 2 da madrugada o telefone tocou normalmente, mas ele não atendeu. E não atendeu porque o telefone está apagando a tela e parando de tocar mesmo sem ter acabado a bateria, mas isso só fiquei sabendo no domingo quando ele chegou em casa.

- A irmã conseguiu o telefone e o nome do amigo com quem ele estava. Segundo o garoto que passou o telefone, esse amigo 'poderia' saber dele. E é aqui que entra minha dúvida sobre o tal corporativismo adolescente! De onde esse garoto tirou que justamente esse amigo onde o filho fora dormir na casa 'poderia' saber dele? Então...
- O telefone do amigo estava descarregado de fato. Incomunicável!

Terceiro problema de comunicação:

- 'Todos' os amigos estavam no Facebook, menos os que estavam com o filho 'desaparecido'.

A situação tomou proporções inimagináveis! Pessoas passaram a madrugada orando, me fazendo companhia, procurando por ele quando, na verdade, isso tudo poderia ter sido evitado se uma das etapas acima tivesse funcionado!
Se ele tivesse atendido ao celular às 22h30m nada disso teria acontecido, mas o celular estava quebrado e eu não sabia, embora ele tenha dito que me falou. Acontece que ele falou que o telefone dele estava 'bichado', mas eu não imaginava que esse 'bicho' fazia o telefone ficar incomunicável.
Se o amigo tivesse com o celular carregado e tivesse atendido antes das 23h40m, boa parte da confusão que já estava se formando teria parado por ali.

Eu falhei não tendo perguntado? Foi uma falha minha? Se eu tivesse perguntado, confirmado, pedido o telefone e o nome dos amigos antes de ele sair para a aula isso poderia ter sido evitado, também? De certo que sim, mas eu tinha em mente que crio os filhos para serem independentes e autônomos e para isso é preciso que tenham responsabilidade sobre si e sobre seus atos! Se eu deixei dormir fora e dei condições, ELE deveria ter me passado os dados que pedi. Na minha cabeça, se não passou os dados e não falou mais nada era porque não ia. Na minha cabeça isso era muito lógico, mas aprendi da pior forma que não é tão lógico assim quando se tem um filho que economiza palavras e está sempre achando que se comunicou o suficiente. Sim, porque já tivemos outras situações semelhantes de ele falar e achar que estava tudo certo quando não estava porque ele não falou o suficiente para que ficasse tudo certo, mas nada nunca na proporção desta vez!
Enfim, errei eu, errou ele. Erramos os dois por ficarmos, confortavelmente, na zona do achismo!

Então fica aí a dica para adolescentes, para pais, para todos em uma família: COMUNICAÇÃO é essencial. É preciso que todos se comuniquem de forma clara para que problemas como esse (e outros) sejam evitados!
Palavras são gratuitas se você não estiver enviando um telegrama ou não estiver fazendo uma tatuagem, então utilizem-nas sem medo, certifiquem-se de terem sido compreendidos e deixem o 'achismo' de lado!

Ah, sim, usem o celular para se comunicar! O aparelhinho também atende esta função, okay?

A vida hoje está muito tecnológica e as pessoas estão perdendo a habilidade de conversarem, de falarem, economizam palavras faladas como economizam palavras escritas nas redes. Tem redes sociais onde se pode usar apenas 100 palavras (ou seriam 100 letras?). A comunicação interpessoal está se perdendo, inclusive dentro de casa, entre familiares!
Quando eu era criança cresci ouvindo dizer que a televisão era o desagregador das famílias. Mal sabiam aqueles que falavam isso o que estaria por vir no futuro: um aparelhinho nas mãos de cada um, cada um em um canto da casa e mesmo quando todos estão juntos, ninguém está junto de fato, pois cada um tem os olhos e a atenção nos aparelhinhos. Até a televisão perdeu espaço e atenção porque pode-se até estar em frente ao aparelho com o dito ligado, mas os olhos e  a atenção estão nos aparelhinhos que ficam entre os dedos!

O 'desaparecimento' dele não foi uma traquinagem, não foi um ato de rebeldia adolescente, não foi uma forma de se auto-afirmar como um ser independente, não foi uma escapadinha para uma balada ou para namorar. Não foi! Foi 'apenas' falta de comunicação. Não houve intenção de sumir. Aliás, ele nem sabia que estava sumido!

Postei isso para que possamos, todos, pais e filhos, amigos, refletimos acerca de que tipo de relação queremos ter uns com os outros!

Grande abraço!

Cláudia





domingo, 24 de maio de 2015

"Deve parecer com o pai, né?"


Estamos à véspera do Dia Nacional da Adoção e, desde que a Taís nasceu, sempre faço post de aniversário dela em comemoração ao dia, porém hoje vou abordar um tema que incomoda muito os pais independente de os filhos serem adotivos ou biológicos.

Vamos tratar do 'com que ele ou ela se parece'.

Este assunto surgiu num grupo agora, porém é recorrente em grupos virtuais de apoio à adoção. Já vi muita gente postando e comentando a respeito e embora algumas pessoas não se incomodem, a pergunta, via de regra, causa desconforto uma vez que vem de pessoas totalmente estranhas ao convívio da família.

Quando estamos num lugar público como um parquinho ou um restaurante e uma mãe chega com uma criança pequena é fato que esta criança nos chama a atenção. Geralmente nos aproximamos, mexemos com a criança e se esta e a sua mãe forem receptivas, engrenamos numa conversa que vai do elogio à criança ao desejo de saber qual a idade e a curiosidade de saber com quem a criança se parece se for muito diferente da sua mãe.
Esse tipo de abordagem é básica e quase geral:

- Que lindinho! Quantos anos (ou meses) ele tem? Ele não se parece com você, né? Deve parecer com o pai...

E aí vem uma pergunta que sempre me fiz por ter passado por isso diversas vezes: que relevância tem PARA MIM com quem se parece o filho de uma desconhecida? Em quê eu ter esta informação acrescenta em minha vida?
Se não é relevante, se não é importante, porque perguntar? Se não vai acrescentar nada, porque expor as pessoas desta forma? Satisfazer uma curiosidade ingênua? Será tão ingênua, assim?
Que diferença fez na vida daquela mulher que me abordou no parquinho quando meus filhos eram pequenos querer saber porque minha filha caçula não se parecia nem comigo, nem com os irmãos? O que ela ganhou? O que ela levou de bom para ela? O que ganhou a agente de saúde que estava aprendendo a conhecer os setores em expor meus filhos perguntando TRÊS VEZES se eu tinha certeza que eles eram meus filhos e me olhando com recriminação?

É isso que quero trazer como reflexão: porque é tão importante, para nós, sabermos da intimidade de um desconhecido que vimos naquele momento e que, possivelmente, não veremos nunca mais?
O que importa, para nós, se o filho não se parece com a mãe? Se a mãe é negra e o filho é branco, se a mãe é branca e o filho é negro? Que relevância tem querer saber se o pai é branco ou se o pai é negro?

Questionar uma pessoa estranha sobre algo tão íntimo, na minha opinião, é falta de respeito e uma tremenda invasão. Ninguém é obrigado a dar satisfação de com quem se parece o filho, mas em sendo questionadas, elas se sentem na obrigação de dar uma resposta.

Esses questionamentos são para aquelas pessoas que perguntam, que se empolgam em não controlar a curiosidade, mas tem, também, aquelas que olham e te julgam sem falar nada. Elas não perguntam com quem seu filho se parece. Elas te julgam e te condenam sem dizer uma única palavra!
Essas são as piores. Elas nem disfarçam. Não perguntam para satisfazer sua curiosidade ou para eliminar seus pensamentos perversos.
Quem já passou por isso sabe muito bem do que falo.
Eu já fui olhada diversas vezes, quando com toda a minha família, por senhoras aparentemente distintas cujos olhares eram de 'essa vadia traiu o marido. Essa criança não é filha dele'. Os olhares circulam de mim para a caçula, da caçula para os irmãos, dos irmãos para a caçula de novo e dela para o pai e dele para mim. Dá quase para ouvir o pensamento que esse tipo de olhar provoca.
Essa situação é pior do que quando a pessoa te aborda, porque se quando a pessoa pergunta você sente que não tem que expor sua vida, ainda assim tem uma oportunidade de falar qualquer coisa que satisfaça a curiosidade ou desfaça a perversidade do pensamento que a levou a perguntar. Já os olhares são invasivos, mais invasivos que as perguntas, penetram sua alma e causam um mal-estar sem tamanho, afinal que direito tem uma pessoa de me julgar moralmente através da aparência da minha família?

Que direito NÓS todos temos de fazermos pré-julgamento da aparência da família das pessoas que nos são estranhas e que não fazem parte do nosso círculo de convivência? Que direito temos de fazer pré-julgamento sem conhecermos a história daquela família e que direito temos de invadir querendo saber algo que não nos interessa devido à falta de intimidade?

Fica aqui, apenas, uma reflexão para todos nós para que não julguemos as aparências porque não nos interessa, não nos é relevante saber com quem os fii duzotro se parecem e se não é relevante, que contenhamos nossa curiosidade ao perguntar e nossa perversidade ao julgar com o olhar.
Cada família tem sua história e isso só interessa a ela.
Que polpemos os filhos alheios de ouvirem perguntas que possam constrangê-los e que nossos filhos sejam polpados das mesmas perguntas.

O mundo é cheio de diversidade, de mistura de raças e de famílias formadas pela adoção em sua mais ampla diversidade de formação. Em todos os casos filhos podem ou não se parecer com os pais. E isso só interessa a cada família.


Grande abraço!

Cláudia

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Faz um ano!

Hoje faz um ano que nossa família amanheceu dentro do pior pesadelo que uma família pode viver: o descontrole de um carro, o capotamento e uma vida ceifada instantaneamente.
Há um ano perdemos, neste plano de vida, uma de nossas crianças.

E na presença constante da ausência avolumam-se as lembranças!

Em seus 16 anos ela foi um bebê tranquilo e dorminhoco, uma criança alegre, ardida e cheia de energia, uma menina cheia e fantasias, uma adolescente cheia sonhos!
Menina encantada, amava as Princesas da Disney e acreditava que era uma princesa de verdade. Branca de Neve era sua preferida! Em suas fantasias infantis fez-se a própria Branca de Neve e levou outras crianças a viverem a fantasia de estarem com a verdadeira personagem encantada. 
Ela amava a cor de rosa e borboletas. Tinha horror de formigas.
Não resistia a nhoque, lasanha e sopa de feijão. Doritos, Kit-Kat e Coca-Cola eram sua paixão! 
Era perfeccionista desde pequena. Tudo dela tinha que ficar perfeito e ai de quem estivesse perto se suas lições não ficassem como ela queria. Era choro e birra na certa. A letra tinha que ser impecável, a folha não poderia ter uma mínima orelha ou dobrinha. Massinhas e tintas? Ah, essas não podiam ter as cores misturadas. Quantas guerras viveram as duas primas tão diferentes neste sentido! 
Figura irreverente e engraçada. Totalmente desligada. Nunca compreendia uma piada na hora. 
Falava sem parar. Nos almoços de família sua voz, imbatível no timbre, tomava conta do ambiente.
Não sentia vergonha de amar e de expressar seu amor. Elogiava e dizia que amava incansavelmente, mas amava com desprendimento. Era alma livre que queria provar o mundo.
Deixou como legado a alegria e a espontaneidade.

Esta é a Hisla que vive em minhas lembranças, em minhas memórias: a da menina de riso fácil e de alto-astral.
A princesa que virou borboleta e foi entregue nas mãos de Deus!

Aonde estiver, espero de coração que esteja bem e que nada deste plano daqui possa te afetar ou deixar triste.
Um dia todos nós nos encontraremos porque a morte...ah, a morte não existe. É apenas uma viagem!
Que Deus te abençoe e te cuide.

A todos que te conheceram e te amam, que o dia seja de boas lembranças e de orações!



Esta música foi feita para uma menininha que amava borboletas e que se foi para o outro plano de vida ainda criança. Sempre me tocou muito e ficou perfeita para ela, nossa princesa-borboleta.

sábado, 29 de novembro de 2014

Desprender dói, mas é necessário!

Imagem retirada de Toca da Cotia
Eu sou o tipo de mãe que tem sempre uma guerra dentro de si entre a razão e a emoção!
Desde que minha filha mais velha entrou na escolinha aos 3 anos, se dependesse só da minha vontade ela nunca, jamais teria ido a um passeio escolar.
O primeiro passeio que ela foi levou duas míseras horas, porém eu não conseguia caber dentro do apartamento de tão agoniada. Fiquei estas duas horas andando pelo condomínio com o filho do meio no colo esperando o tempo passar, com a chave do carro nas mãos olhando o relógio a cada segundo. Situações assim fazem duas horas parecerem dois séculos.
Depois desse passeio vieram outros, depois o filho do meio entrou na escola também e a situação se repetiu. Os dois iram para os passeios juntos e eu ficava que não me aguentava em casa. Barata tonta me definia nessas situações. Eu só pensava na hora de buscar as crias.
Eles nunca dormiram fora de casa antes de entrarem na adolescência. Isso era impensável.
Saindo do âmbito escolar, a filha mais velha fez sua primeira viagem sem mim, o pai e os irmãos aos 10 anos. Ficou 5 dias fora, com os avós e a prima num cruzeiro.
Gente, para quem sofria com 1 dia, imagine o que foram 5 dias, né? Mas os menores ficaram comigo, a caçula tinha problemas de saúde que me exigiam dedicação, então deu para conciliar a dor no estômago com a vida real.
O filho do meio fez sua primeira viagem sem nós, com os avós e o primo, aos 12 anos. Também foram dias difíceis que foram engolidos pela rotina de uma criança pequena  e o consolo de a grande ter ficado.
Para mim essas experiências são muito ruins. Muito mesmo. E não é questão de falta de confiança porque se eu não confiasse eles não iriam jamais.
Passeios de escola são importantes para a autoconfiança da criança e também estão inseridos num contexto de aprendizagem do conteúdo escolar. Se a gente coloca um filho numa determinada escola a gente precisa confiar que é a melhor e precisa confiar em quem está com nossos filhos cinco dias da semana durante o ano inteiro por, no mínimo, quatro horas diárias.
Passeios com parentes como avós, tios, padrinhos ou pais dos melhores amigos também são importantes, mas que é ruim, é. Não nego.
Este final de semana estou vivendo uma nova experiência destas: é a primeira viagem da caçula sem eu e o pai.
Meu irmão e minha cunhada estão de férias e planejaram uma viagem com todos os sobrinhos. É...então! Este final de semana três dos meus três filhos estão passeando e é a primeira vez da pequena que está com 7 anos.
Foi uma semana de expectativas e ansiedades para todos, porém muito mais para ela que nunca viajou sem a mamãe. Ela ficou num misto de felicidade e pesar, ora querendo muito saber como era o lugar para onde iam, o que ia acontecer, ora falando que sentiria minha falta. Pensa que é fácil passar confiança quando o filho pequeno só falta pedir para você ir junto? Ah, mas não é mesmo! Eu a abraçava e falava: eu também vou sentir sua falta, mas são poucos dias e você vai se divertir muito.
Nada disso é mentira, né? kkk
Como 'todo mundo' ia passear eu fiz meus planejamentos também. Queria fazer um sem-número de coisas que só consigo fazer quando estou sozinha, ou que eu curto mais quando estou sozinha, mas o que foi que aconteceu? Levantei com uma dor de cabeça terrível. Visitinha do tal de Murphy, né? kkk
É possível que seja meu organismo reagindo à minha guerra interna, ou pode ser apenas uma enxaqueca comum, o fato é que apesar do mal estar que me acomete eu não me arrependo de deixar que meus passarinhos aqueçam as asas para, um dia, terem segurança de ganharem o mundo.
Eles não são meus, minhas propriedades. Eles são companheiros de jornada, seres que Deus me confiou para educar, amar, orientar e que vão seguir seus caminhos um dia. Eu e o pai somos o porto seguro para onde eles poderão voltar sempre que quiserem ou sempre que precisarem renovar as energias para novos voos, para novas experiências.
É por ter consciência disso que eu me abro para este desprendimento tão difícil de ser praticado.
A felicidade que eles chegam sempre dos passeios compensa toda a minha agonia, toda a minha barata tontisse e até a possível enxaqueca.
Sobre passeios de escola, uma confidência: mesmo depois de todos estes anos eu ainda choro vendo o ônibus partir, mas tudo bem. Sou chorona, mesmo! ahaha

Como eu poderia privá-la de tamanha felicidade?


E com esta imagem eu sigo esperando as horas passarem para que o dia de amanhã, juntamente com o retorno deles, chegue para encher novamente minha casa e minha vida.

Cláudia

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

MEU filho, MINHA filha! São nossos? Temos certificado de propriedade?


Gente, estou participando de um debate...se é que se pode assim dizer...num post a respeito de uma filha adotiva à procura de sua mãe biológica e posso afirmar que os comentários são os mais variados. Alguns duros, alguns muito duros, alguns nem tanto assim, então estava aqui lavando minha louça, colocando minha roupa para lavar porque preciso da água da máquina para limpar o chão - racionamento e falta de água, né, gentchy - e comecei a refletir a respeito.

Em todas as religiões cristãs se diz que somos todos filhos de Deus, portanto irmãos. Isso inclui os filhos, certo?
Todo mundo compartilha e acha lindo o poema Definição de Filho do José Saramago que fala que filhos são empréstimos de Deus. Okay?
Muita gente diz...eu já ouvi muito e concordo 1000% (não escrevi errado. É mil, mesmo!) que os pais devem criar os filhos para o mundo.

Oras, então porque cargas d'água é tão difícil de se aceitar que um filho adotivo queira, precise ou deseje encontrar sua família biológica para conhecer seu passado, ou saber com quem se parece, ou seja lá que motivo for que o faça ter essa vontade?
Filhos biológicos sonham em ir para o exterior estudar e alguns nunca mais voltam. Foram ingratos com os pais? Foram movidos por falta de amor ou apenas, veja bem, APENAS, buscaram o caminho que sonharam?
Filhos casam todos os dias e vão embora. São ingratos por deixarem a casa dos pais? Ah, isso é diferente, faz parte da vida!
E ir morar fora não faz parte da vida daqueles filhos que foram?
E irem morar sozinhos porque não querem mais ficar morando com os pais depois de certa idade também faz parte da vida ou seria ingratidão?
Ah, mas filho biológico é biológico. Tem a minha origem. O kay, mas o filho biológico não busca outras necessidades, não acalenta em sua alma outros desejos? Você quer que ele seja médico, mas ele quer ser piloto de avião. Você sonha que ela seja dentista, mas ela quer ser designer de bolo ou personal trainer. Você sonha que ele seja um engenheiro, mas ele quer ser professor de filosofia!
Não atender aos desejos e anseios dos pais é ser ingrato?
Porque é que alguns aspirantes a pais adotivos ou mesmo os que já são pais adotivos anseiam  que o filho esqueça e apague de vez o seu passado e a existência de uma família biológica?
Porque hoje em dia se propaga tanto a importância de contar a verdade, que o filho precisa saber a verdade sobre ser adotivo, mas não se aceita que o filho possa vir a ter o desejo de conhecer a família de origem?
Porque o desejo de buscar a família de origem é considerada ingratidão se quando adotamos não estamos fazendo caridade? Não é isso que se fala tanto nas redes sociais, também? Adotar não é caridade? Se não é, então porque o filho desejar conhecer a biológica torna-se ingratidão?
De onde se tira que filho que quer conhecer sua origem não ama ou não valoriza 'a família que a criou'. Gente, filhos adotivos comentam isso: 'tem que valorizar e amar a família que te criou'.
Aqui eu tenho uma família. Meus filhos são meus filhos. Eu e meu marido não somos 'a família que os criou'. Eu e meu marido, junto com eles, formamos uma família. E só!
Porque os filhos que desejam procurar suas famílias de origem são tão duramente atacados (inclusive por outros filhos adotivos!) se se entende que suas famílias não fizeram caridade?

Muita coisa para refletir, né?

Eu tenho comigo que
1. O amor que se constrói ao longo da vida não se apaga apenas porque o filho conhece sua mãe biológica, sua genitora ou seja lá o nome que queria dar.
2. A família não se desagrega porque um  filho, ou dois, ou três desejou conhecer sua(s) família(s) de origem.
3. Desejar buscar a família de origem não tem nada a ver com ingratidão ou falta de amor, assim como ao filho biológico, ir estudar no exterior e decidir ficar por lá também não tem.

Aí eu pergunto: qual é o objetivo da adoção? É dar criança para uma família ou é dar uma família para uma criança?
Se você respondeu dar uma família para uma criança, você acertou!
Ninguém procura uma criança que seja adequada para uma família, mas sim uma família que seja adequada para uma criança, ou duas, ou três.
Sendo assim é a família que é da criança e não a criança da família!

Vamos pensar e refletir, gente!
Nós adotamos para sermos pais, mas nossos filhos não são nossos. Nossos filhos são empréstimos de Deus, Ele nos confia esses pequenos seres para serem amados, criados da melhor forma possível, dentro de valores e princípios, mas eles não são nossos. São do mundo, são da vida e têm, sim, um passado que precisa ser respeitado e que, em surgindo curiosidade ou desejo de ser conhecido, precisa ser apoiado.
Amor e gratidão não têm nada a ver com isso. É pessoal, é desejo de identificação, é vontade de perguntar 'porque você me deu' olhando nos olhos.
O filho vai conhecer alguém por quem vai desejar constituir família, vai casar e vai embora de casa viver sua vida. O mesmo vai acontecer com a filha.
Com a mãe biológica isso nunca vai acontecer. Ela não é ameaça para um amor construído. Ela pode ser algo que falta para que o filho(a) faça a conexão entre o passado e o presente para ter um futuro mais feliz, mais pleno, mais livre!
E com amor e sabedoria pode-se somar ao invés de dividir.

Ah, sim, a teoria das maltratadoras, dos abusadores não cabe neste contexto uma vez que quando nossos filhos decidirem por conhecer esta origem (se decidirem!) já terão tido uma vida de amor, proteção e terão idade o suficiente para não sofrerem, mais, nenhum tipo de situação relacionada ao passado.
Ainda que tenha ocorrido algo assim, se ele quiser ir atrás para saber o que ficou lá, é um direito dele.

Ah, não quero que meu filho sofra com esta busca. O que ele poderá encontrar?
Naturalmente nenhum pai, nenhuma mãe que ame seus filhos vai querer que eles sofram, mas deixa eu contar uma novidade: eles sofrem! Siiiim, eles sofrem! Sofrer faz parte da vida! Sofrem por amor não correspondido, sofrem por não conseguirem o emprego que sonham, sofrem por não poderem ir a um tal show que tanto sonharam por algum motivo qualquer e podem sofrer desilusões, também!
É para isso que estamos ao lado deles: para sermos ombros, para acolhermos, ampararmos, secarmos as lágrimas com o nosso amor toda vez que eles sofrerem, seja por que motivo for, porque impedir que sofram, aaaah...isso não nos compete!

Cláudia